Artigo: Quanto Custa

Confira!

Enquanto pensava na coluna de hoje, me lembrei da música do grande cantor nordestino Dorgival Dantas entitulada: “Quanto Custa?” e me peguei pensando no quanto estamos dispostos a pagar pelo que queremos. Existe um ditado que afirma: Quem desdenha quer comprar, por isso, é comum encontrarmos avaliadores dizendo: Tá caro, tá barato... E hoje, discutiremos brevemente sobre o preço do que queremos.

Aos que não querem ficar deitados eternamente em berço esplêndido, planos e projetos sempre estão incomodando para que possam ser colocados em prática, enquanto essa equação é contrabalanceada por fatores de interferência que ajudam a mudar o foco, deixando sempre a sensação de andar em círculos.

Tenho uma pessoa muito querida na vida, que sempre que tem a oportunidade, se exercita, caminha, dança, para que no momento em que ela chega em casa, ela liga a TV, acende o fogo, faz uma panela de pipoca, coloca leite condensado, abre uma Coca-Cola Zero, coloca uma série da Netflix e diz: Equilíbrio é tudo! Depois dos exercícios, o corpo precisa se recuperar.

Um ex-colega de trabalho, segunda após segunda, chegava exalando álcool no trabalho, afirmando com toda a certeza que esse era o último final de semana que ia beber. Na quarta, já ia mudando o discurso, afirmando que só ia beber socialmente no jogo do Vascão (pode ser Mengão), porque o que importa é saber beber. Sem surpresas, já estava embriagando-se mais um fim de semana, lamentando de não conseguir fazer mais nada da vida.

Aos que se identificaram com as cenas, fica a pergunta: Equilíbrio ou incoerência? Nos acostumamos com o fato de sermos empurrados pelos ventos da vida, pelos costumes que acabamos reproduzindo de nossos familiares e amigos, acreditando que a vida se resume a isso. Daí, quando nos deparamos com realidades diametralmente opostas a vida que vivemos, as primeiras coisas que falamos é: Que sorte hein? Só pode tá roubando... Também, assim é fácil...

Nos acostumamos a achar que a grama do vizinho é sempre mais verde, só que não estamos dispostos a tirar as ervas daninhas das nossas vidas e começar a regar um jardim de hábitos saudáveis, viagens dos sonhos ou projetos para uma carreira sucesso.

Já dizia um grande filosofo: “A culpa é minha e dou ela pra para quem eu quiser.” (Homer Simpson). Assim, a culpa pode ser da pandemia (ainda cola?), da conjuntura estrutural do País, do Bozo, do Lula, do final dos tempos... Culpados não vão faltar, mas com certeza sua vida só vai mudar ser você se ver como responsável.

Quero deixar claro que não tenho nada contra os hábitos e costumes que você pode ter, nem estou aqui para pregar que os meus são melhores, e que você deve acordar às 4 da manhã, “pegou a visão”? Só quero te chamar a refletir sobre o seguinte ponto: Você vive o que você defende em seu discurso? Viva, viva intensamente, só torço para que você não esteja andando em círculos, enquanto paga o preço de ter uma vida coerente.

Tiago Silveira Machado

Professor da Universidade de Pernambuco – Campus Salgueiro

Analista da Economia Local (Salgueiro/PE)

 

Tags:
opiniao
Author
Thiago Lima

Thiago de Lima Silva, natural de Salgueiro-PE, tem 31 anos. Iniciou no Rádio aos 17 anos de idade.

Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Contador de visitas